Barra de feijão e aveia, pode prevenir o câncer




Pesquisadores da Universidade Autônoma de Querétaro (UAQ) criaram um bar com feijão e aveia que poderiam ajudar a combater e prevenir doenças, entre as quais o câncer cardiovascular e de cólon.

feijao-e-barra-de-aveia-podem-prevenir-o-cancer-2

De acordo com os criadores, “Flavis” foi preparado como uma opção saudável em vista do grande número de lanches hipercalcoticos e fritos com alto teor de carboidratos.

“Para este bar, decidimos adicionar aveia, em primeiro lugar, porque esse tipo de alimento requer ter um cereal em sua preparação e, segundo, para que possa ser consumido por pessoas que são intolerantes ao glúten de trigo”, disse ele em uma entrevista com Conacyt, Diretor de Pesquisa e Pós-Graduação, María Guadalupe Flavia Loarca Piña.

Ele acrescentou que a barra é composta por dois tipos de fibras: solúvel, o conhecido como betaglucanos que contêm aveia e o insolúvel que está nos compostos de feijão.

“O insolúvel oferece a vantagem de que, quando consumido, faz uma” varredura “do que não precisamos mais em nosso corpo e que vai nas fezes, no entanto, se a pessoa consumir muita fibra insolúvel e não consumir água, tem o efeito oposto de que seria constipação “, explicou.

Meniconó que o solúvel, é indigesto, mas ao chegar ao cólon, ele pode ser digerido por bactérias de ácido lático ou bifidobactérias da microbiota associada, que o convertem em metano, hidrogênio e ácidos graxos fenólicos de cadeia curta com propriedades biológicas.

Outro benefício que “Flavis” fornece é que os produtos químicos na casca de feijão cozido têm capacidade antioxidante e que através de uma fermentação dessa fração em condições in vitro, simulando o que acontece no cólon, foi possível obter ácidos gordos de cadeia curta.

“Nós colocamos esse extrato fermentado em células cancerígenas – de um tumor de colon humano – e descobrimos que ele gerou apoptose ou prisão no ciclo celular nas células cancerosas, o que torna este alimento um fator importante para prevenir essa doença” , ele indicou.

Até agora, “Flavis” é comercializado na Universidade e tem sido muito bem aceito pela comunidade, então os pesquisadores procurarão a infraestrutura para que mais produção possa ser feita.