Colestase: o Que é, Causas e 8 Tratamentos Naturais




colestasis

A colestase é uma condição médica caracterizada por uma alteração no fluxo de bile do fígado para o duodeno. Abrange um grupo heterogêneo de patologias que afetam os ductos hepático, biliar e pancreático, causando alta morbidade em todo o mundo.

Neste artigo, faremos um passeio sobre o que é a colestase, que são as patologias mais comuns associadas, o que pode causar, suas manifestações clínicas (sintomas e sinais), diagnóstico, tratamentos, prognóstico e possíveis complicações.

Dentro dos tratamentos, abordaremos aqueles que são comuns à prática médica e aqueles de natureza naturista, para aliviar a sintomatologia associada.

O que é a colestase?

A colestase é um termo criado pelo anatomista-patologista Hans Pooper em 1956 e constitui uma síndrome clínica, que inclui um espectro amplo e complexo de entidades patológicas de gravidade e prognóstico muito variáveis.

É uma condição clínica em que o fluxo biliar é afetado, em algum ponto, entre as células produtoras de fígado e intestino delgado.

As principais manifestações clínicas são o produto da acumulação de sangue de substâncias que normalmente devem ser excretadas na bile.

Epidemiologia da colestase:

colestasis_947

Mais de 200 mil pessoas nos Estados Unidos são afetadas por colestases a cada ano, resultando em perdas milionárias devido a ausências relacionadas ao trabalho.

As causas mais freqüentes de colestase intra-hepática são hepatite viral, doença hepática induzida pelo álcool, cirrose biliar primária e toxicidade de drogas ou outras substâncias.

As alterações hormonais produzidas durante a gravidez podem causar um tipo particular de colestase intra-hepática, chamada colestase gravídica.

Entre as causas mais comuns de colestase extra-hepática estão a litiasis no ducto biliar (coledocolitiasis), estenose do ducto biliar (tumor benigno ou maligno), câncer pancreático e pancreatite.

Na América Latina entre 5 e 15% dos habitantes apresentam a litiasis vesiculosa, e há populações e grupos étnicos com maior prevalência, como caucasianos, hispânicos ou nativos americanos.

Países americanos como os Estados Unidos, o Chile e a Bolívia estão com o maior número de pessoas afetadas por esta patologia.

Globalmente, entre 10% e 30% da população é diagnosticada, com um milhão de novos casos por ano. Ocorre principalmente no sexo feminino com 20% e 10% no sexo masculino.

Causas da colestase:

Existe uma grande variedade de causas para a colestase, mas dois critérios básicos são utilizados para sua classificação:

1. Como um todo, eles são classificados como:

  • Intra ou extrahepático.
  • Aguda ou crônica.
  • Iteric ou anicteric.

2. De uma visão etiológica, eles podem ser classificados como:

  • Congênito.
  • Tóxico.
  • Metabólico.
  • Inflamatório.
  • Mecânica
  • Neoplásico.

Classificação da colestase:

A classificação na colestase intra-hepática e extra-hepática é a mais aceita dada a sua utilidade na aplicação clínica, servindo como ponto de partida para o diagnóstico e tratamento a seguir.

A colestase intra-hepática é causada por alterações nos hepatócitos ou nos ductos microscópicos do fígado, que trazem bile e podem ser devidas a:

  • Doença hepática alcoólica (como a cirrose alcoólica).
  • Amiloidose.
  • Linfoma.
  • Gravidez.
  • Cirrose biliar primária.
  • Câncer de fígado primário ou metastático.
  • Colangite esclerosante primária.
  • Sarcoidose.
  • Tuberculose.
  • Hepatite viral.
  • Abscesso bacteriano hepatico.
  • Alimentando exclusivamente por via intravenosa.
  • Infecções graves que se espalharam pela corrente sanguínea (sepsis).
  • Certos medicamentos, como antibióticos (ampicilina e outras penicilinas), esteróides anabolizantes, pílulas anticoncepcionais, clorpromazina, cimetidina, estradiol, imipramina, proclorperazina, terbinafina e tolbutamida.

As drogas contemporâneas relacionadas à lesão hepática colestânea incluem:

  • Ticlopidina.
  • Terfenadina.
  • Nimesulida.
  • Irbesartan.
  • Fluoroquinolonas.
  • Estatinas.

A colestase extra-hepática é causada por alterações nos canais biliares maiores, que transportam a bile do fígado para a vesícula biliar e podem ser causadas por:

  • Tumores dos canais biliares.
  • Estreitamento do ducto biliar (estenose).
  • Cálculos na via biliar comum ou coledocolitiasis, uma das formas mais comuns de colestase extra-hepática.
  • Pancreatite.
  • Tumores ou pseudocistos pancreáticos.
  • Cistos.
  • Pressão sobre os ductos biliares devido a uma massa ou tumor nas proximidades.
  • Colangite esclerosante primária.

Sintomatologia:

Os sintomas podem incluir:

  • Comichão ou prurido, um dos sintomas mais comuns e difícil de administrar. Ocorre com maior freqüência em pacientes com cirrose biliar primária, colangite esclerosante primária (cicatrizes nas vias biliares) e colestases intra-hepáticas da gravidez. Também é bastante comum em pacientes com hepatite viral crônica, especialmente infecção pelo vírus da hepatite C.
  • Amarelo dos olhos e da pele (icterícia), um sinal comum de colestase obstrutiva, mas não é comum na colestase metabólica. Um paciente com colestase obstrutiva também pode apresentar fezes pálidas, urina escura, náuseas ou vômitos, incapacidade de digerir certos alimentos e dor no abdômen superior direito.

Colestasis Intrahepatic Gestacional ou Colestase de Gravidez:

colestasis_950

É um transtorno específico do fígado gestacional, que geralmente aparece no final do segundo trimestre ou durante o terceiro trimestre da gravidez. No final da gestação, a condição melhora.

Tem uma incidência mundial de um por mil gravidezes e é caracterizada por prurido intenso, geralmente em mãos e pés.

Está associado a níveis aumentados de ácidos biliares séricos que aumentam a incidência de mecônio para o líquido amniótico, aumentando o risco de fluxo sanguíneo umbilical reduzido e morte súbita fetal.

Como as mães com colestase têm uma diminuição da capacidade de absorção de vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K), correm o risco de desenvolverem deficiência de vitamina K, o que pode levar a hemorragia intracraniana no sangramento materno e materno durante o período pós-parto. Também está associada ao parto prematuro espontâneo .

Testes de diagnóstico para colestases em geral:

Os exames de sangue podem mostrar níveis de bilirrubina e fosfatase alcalina superiores ao normal, bem como outras enzimas hepáticas.

Os testes de imagem incluem:

  • Tomografia computadorizada do abdômen (tomografia computadorizada).
  • Ressonância magnética do abdômen (MRI).
  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE).
  • Ultrassom do abdômen simples, um dos testes mais utilizados para o diagnóstico de colestases, especialmente o causado pela litiasis vesicular.

Tratamento

A causa subjacente da colestase deve ser abordada, incluindo o manejo de complicações como prurido, osteopenia e deficiência de vitaminas lipossolúveis.

Tratamento Convencional para Colestase

Tratamentos Medicinais:

O ácido ursodesoxicólico (UCDA) é mais comumente usado para tratar cálculos biliares não cirúrgicos e aliviar a coceira na gravidez para mulheres que sofrem de colestases obstétricas.

Corresponde a um composto de ácido biliar natural que melhora a função hepática através da substituição de ácidos biliares mais tóxicos na corrente sanguínea pela UCDA. Assim, diminui os níveis dos mais nocivos, por hidrofílicos, que são facilmente removidos através da urina.

Gestão de Prurido

colestasis_952

A colestiramina é recomendada como tratamento de primeira linha para o prurido. Isso funciona aumentando a eliminação de ácidos biliares do corpo, embora esteja associado a efeitos colaterais gastrointestinais. O ácido ursodeoxicólico também é usado com bons resultados.

Tratamentos Cirúrgicos:

Os cálculos na via biliar comum geralmente podem ser removidos, o que pode curar a colestase.

Os stents podem ser colocados para abrir áreas do ducto biliar que foram estreitadas ou bloqueadas por neoplasias.

Em casos mais graves de insuficiência hepatocelular ou complicações de hipertensão portal, a possibilidade de transplante hepático deve ser avaliada.

Expectativas (Prognóstico)

O prognóstico da pessoa depende da doença que causa a condição.

Complicações possíveis

As complicações podem incluir:

  • Diarréia.
  • Insuficiência orgânica, que pode ocorrer se ocorrer sepse (infecção generalizada muito grave).
  • Pobre absorção de gorduras e vitaminas lipossolúveis (devido ao metabolismo inadequado da gordura devido à deficiência da bile).
  • Comichão intenso.
  • Osteopenia, devido ao fato de ter colestasis por um período prolongado e diminuir a absorção de vitamina D (lipossolúvel), que intervém no metabolismo do cálcio e do fósforo.

8 tratamentos naturais:

1. Guar Gum

A goma de guar é uma fibra da semente da planta de guar. É usado como um laxante, para reduzir o colesterol, prevenir diabetes e obesidade. A goma de guar atua como um agente de ligação e estabilizante, por isso pode ser útil para aliviar os sintomas da colestase.

É uma fibra dietética, derivada de uma semente cuja ação é aumentar a eliminação de ácidos biliares solúveis.

Um estudo publicado no European Journal of Clinical Research informou que o aumento de ácidos biliares séricos e piora do prurido foram prevenidos pela administração de goma de guar em relação ao grupo controle, dado o placebo.

2. Carvão ativado

colestasis_958

Vários estudos mostraram que o carvão ativado é uma terapia alternativa eficaz no tratamento da colestase gravídica intra-hepática.

Esta substância é usada para capturar toxinas e produtos químicos no corpo, que são expulsos antes de serem absorvidos.

A superfície porosa do carbono ativado tem uma carga elétrica negativa que causa toxinas carregadas positivas para se ligar a ela, através de fortes interações eletrostáticas.

Um estudo realizado em 1994 constatou que após oito dias de tratamento, o carvão ativado (em doses de 30 gramas, três vezes ao dia) foi capaz de diminuir as concentrações totais de ácido biliar em pacientes com colestase gravídica.

3. Thistle Mariano

Cardo mariano é uma erva que é usada para suas qualidades desintoxicantes, especialmente o fígado. É capaz de promover uma função digestiva saudável, aumentando a produção de bile e diminuindo a inflamação do fígado.

Vários estudos indicam que é eficaz em uma variedade de doenças do fígado, incluindo a colestase. Também pode ser tomado durante a gravidez e a lactação.

4. Dente-de-leão

Raiz e chá do dente-de-leão são remédios naturais seguros para empregar colestase gravídica. Verificou-se que suas vitaminas e nutrientes ajudam a limpar o fígado, com a conseqüente melhora no seu funcionamento.

Por sua vez, ajuda o sistema digestivo, mantendo o fluxo adequado de bile e promovendo a absorção de minerais no intestino delgado.

Também é usado para aliviar cólicas no caso de cálculos biliares.

5. SAMe

SAMe, ou S-adenosil-L-metionina, é uma molécula formada pelo aminoácido metionina e a molécula de energia ATP, está envolvida em vários processos metabólicos e na manutenção da indenização das membranas celulares.

Uma publicação no jornal Drugs de um estudo de 639 pacientes com colestase de doença hepática aguda ou crônica descobriu que SAMe pode atuar promovendo as reações de algumas vias metabólicas, melhorando o metabolismo e a desintoxicação do fígado.

6. Vitamina K

A vitamina K está envolvida na síntese hepática de fatores de coagulação, o que ajuda a coagulação do sangue, a menos que o fígado seja gravemente danificado.

Sugere-se como tratamento para mulheres grávidas com colestase colestática, uma vez que reduz significativamente a absorção de vitaminas lipossolúveis, o que pode levar à deficiência de vitamina K. A deficiência desta vitamina pode levar a sangramento grave no recém-nascido e na puerpera.

7. Vitamina D e cálcio

colestasis_960

A pesquisa mostra que a doença óssea metabólica é comum em pacientes com doença hepática colestática, devido à diminuição da absorção de vitamina D e cálcio, o que pode levar a osteopenia, pelo que a suplementação é necessária.

8. Evite o álcool e certas medicações

É essencial que as pessoas com colestasis evitem ou detenham qualquer substância tóxica para o fígado, incluindo álcool e algumas drogas amplamente reconhecidas por causa da colestase (mencionado acima).

Há evidências crescentes de uma predisposição genética às reações de drogas colestáticas. Portanto, a prevenção de reações graves depende do diagnóstico precoce de lesão hepática e da pronta suspensão da droga.

Então, você sabe, se você foi diagnosticado com colestase, juntamente com o tratamento farmacológico, você pode ajudar com esses produtos naturais (após consulta com seu médico).

Compartilhe, divulgue e comente sobre esses problemas. Dessa forma, você pode ajudar outras pessoas que podem ter essa doença.