Pronta a greve internacional das mulheres #NosotrasParamos




A desigualdade em relação às mulheres e à violência tem estado presente por muitos anos e, embora tenham sido feitos avanços importantes, ainda são muito afetados.

pronto-internacional-greve-mulheres-nosotrasparamos-2

Portanto, no dia 8 de março, quando celebramos o Dia da Mulher, milhares de organizações ao redor do mundo, convocamos para se juntar à paralisação do trabalho (embora parcialmente), o consumo e cuidados, bem como a marcha por reivindicar a igualdade e exigir que a violência seja interrompida.

#NosotrasParamos

O movimento cujo lema é #NosotrasParamos contemplou a cessação de atividades e várias mobilizações em 50 países, com força especial na América Latina, onde há mais casos de violência contra as mulheres.

Para ir para a marcha, é solicitado que se veste de preto ou com cores escuras para mostrar o que aconteceria se todas as mulheres desaparecessem de seus empregos, das lojas, das áreas de atendimento e de suas casas.

México está presente no desemprego

Em nosso país, a nomeação será às 16:00 horas no Anjo da Independência , onde uma cerca humana será feita e então irá para o Monumento à Revolução.

“Nós vamos exigir os direitos que o Estado nos deve e é uma chamada global porque a situação para nós não mudou”, disse Daphne Cuevas Ortiz, do Consorcio para o Diálogo Parlamentario e a Equidade, em entrevista à SemMéxico.

Entre as principais queixas que se manifestam são:

  • Lacunas salariais
  • Condições de trabalho precárias
  • Assédio e assédio sexual
  • Falta de segurança social e segurança no emprego para trabalhar no setor informal
  • Pobreza
  • Tarefas domésticas e de cuidados que não são remuneradas
  • Exploração laboral
  • Acesso à justiça

pronto-internacional-greve-mulheres-nosotrasparamos-8

A greve foi feita pela primeira vez em 1975

A idéia da paralisação do trabalho ocorreu em 1975, quando as mulheres da Islândia pararam de trabalhar, levaram as crianças para a escola, fizeram compras domésticas e tarefas domésticas, com o objetivo de demonstrar por direitos iguais. Naquele dia, 90% dos habitantes foram às ruas e todo o país ficou paralisado.

Em 2016, a Polônia retomou a idéia de impedir o governo de apertar a lei do aborto, que em si já era restritiva. As mulheres vestidas de preto, conseguiram fazer a iniciativa revertida, então eles comemoraram esse dia como Black Monday.

Semanas depois, o movimento #NiUnaMenos ocorreu na Argentina, onde a principal demanda foi evitar a violência de gênero e sua expressão mais séria: o feminicídio. Vários países da América Latina participaram desta manifestação, incluindo o México.