As crianças devem aprender a rir de si mesmas




A insegurança e os problemas para resolver conflitos são coisas que podem ser evitadas na idade adulta, se da pequena estiver trabalhando com o apoio dos pais.

as-criancas-devem-aprender-a-rir-2

Uma técnica que ajuda as crianças a se tornar confiante, assertiva e mais sociável, é que elas aprendem a rir de si mesmas.

“Uma criança que sabe fazer uma piada, que entende o sentido literal e figurativo das coisas, geralmente está mais segura de si mesmo e também mais assertiva e corajosa”, explica Rosario Ortega Ruiz , professor de Psicologia na Faculdade de Ciências da Educação da Universidade de Córdoba.

Ele acrescenta que levar coisas com humor não só ajudará a ter uma vida adulta completa, satisfatória e feliz, mas também pode se tornar uma espécie de camada protetora diante de situações complicadas que são apresentadas na escola.

Como uma arma para enfrentar o bullying

O especialista indica que esta atitude não imuniza “contra problemas de violência interpessoal como o bullying, que não é brincadeira”, embora possa ajudar em determinadas situações.

“Não é o antídoto definitivo contra a vítima, é um sinal de inteligência, equilíbrio e maturidade emocional, pois proporciona segurança e confiança, e esta é uma vacina eficaz para lidar com certos fenômenos de bullying”, diz ele.

Detalhes de que isso ajuda, porque quando um assediador percebe que o outro filho tem o perfil descrito, ele não o toca.

“E se ele tenta, ele descobre que a vítima em potencial sabe como se defender e pedir ajuda, ele conhece seus direitos”, diz ele.

A importância do sentido do humor

Ter um senso de humor não só irá ajudá-lo a lidar melhor com os conflitos na escola, mas também aumentará a auto-estima das crianças e adultos.

“A auto-estima é a relação entre a nossa imagem real (como estamos aqui e agora) eo ideal (o que sonhamos em ser). Quando há uma grande diferença entre os dois, falamos de baixa auto-estima. Naquele momento, um [adulto ou criança] é capaz de rir de seus defeitos, seus complexos, seus obstáculos … Ele não pede o reconhecimento de que os outros se sintam bem consigo mesmo e ele se aceita como ele é ” explica David Ramírez Castillo, professor de psicologia e pesquisador da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade de Navarra.

Aprender a rir dos próprios erros e admitir nossos erros nos ajudará a ter maior confiança, mas como devemos fazê-lo?

Eduardo Jáuregui , professor de Psicologia Positiva da Universidade de São Luís (campus de Madri), indica que a melhor maneira de conseguir isso é através do jogo.

“O jogo é a maneira mais natural de aprender e uma ótima maneira de motivar curiosidade, criatividade e coragem”. Na Finlândia, que possui um dos melhores sistemas educacionais do mundo, as crianças não fazem outra coisa a ser jogada até as sete “, diz ele.

Chistes e violência

Por outro lado, Jesús Damián Fernández , médico em pedagogia e co-fundador, juntamente com Jáuregui, do projeto Positive Humor, esclarece que, assim como é bom fazer piadas e ter senso de humor, do mesmo modo, é preciso aprender a dizer “o suficiente”.

Indica que, às vezes, o humor perde proeminência em favor do amor próprio e da firmeza, porque a linha que divide a piada da agressão é muito boa.

“Do meu ponto de vista, uma piada só pode ser considerada como tal quando todos acabam sendo cúmplices e ninguém se sente magoado, caso contrário, não estaríamos falando sobre um humor positivo e prosocial, mas sim o contrário”, conclui. .