Os atletas com síndrome de Down destacam-se nos Jogos Mundiais




Em julho passado, os primeiros Jogos da Trindade foram realizados na Itália, onde 31 atletas mexicanos ganharam 44 medalhas : 20 de ouro, 14 de prata e 10 medalhas de bronze.

atletas-com-sindrome-de-down-se-destacam-em-olimpiadas-2

No entanto, apesar das conquistas obtidas, os jovens não receberam a recepção de mídia ou a atenção obtida pelos medalhistas mexicanos do Rio 2016 ; Mesmo o apoio do governo era muito menor.

A Comissão Nacional de Cultura Física e Desporto (Conade) contribuiu com apenas 900 mil pesos que cobriam as despesas de transporte, alimentação e alojamento de 16 dos 31 atletas e para que esses jovens pudessem receber o apoio, tiveram que quebrar marcas em sua disciplina e conhecer entre os três primeiros melhores do mundo.

Portanto, muitos tiveram que buscar patrocínio ou dívida, como é o caso de Guadalupe Marenco, mãe de Dunia Camacho, nadadora que ganhou 11 medalhas.

“Estou em dívida com 180 mil pesos, tive que usar um empréstimo porque não permitiria que o sonho da minha filha fosse truncado”, disse ela a El Universal.

Outro caso é o de Marisela Hernández, que devido à recusa do Conade, não recebeu o dinheiro para que seu filho Giovanni Flores, de 24 anos, pudesse competir em natação, apesar de ter pago a taxa de inscrição de 800 euros.

“Tudo aconteceu, eu estava em dívida e, naquele momento, a mudança do euro-peso estava no céu, não tive tempo para pegar o bilhete, não sei o que está acontecendo com o Conade, não vale a pena porque as crianças tentam arduamente e meu filho Ele ficou com vontade de ir às suas primeiras competições internacionais e não recebo esse dinheiro de volta “, disse ele.

“Juan Navarrete vem e nos diz que Alfredo Castillo não considera nossos filhos como artistas de alto desempenho porque praticam esportes para recriar, isso não é justo, eles não são changuitos maromeros que nadam ou se divertem”, disse Guadalupe Marenco.

Os triunfos obtidos

Apesar de todas as previsões e problemas que enfrentaram, os atletas mostraram nas competições, o que os fez vencer as 44 medalhas, além de impor novos recordes mundiais em atletismo e natação.

Um dos vencedores foi Bárbara Wetzel Aguilar , mais conhecido como ” Bibi “, que às 11 anos foi coroado vencedor em ginástica, deixando para trás a Rússia e a Itália.

(Bibi comemorando seu campeonato mundial de ginástica em novembro de 2015)

No atletismo, os representantes posicionaram-se em segundo lugar. Juan Daniel Rodríguez Mascorro , ganhou três medalhas de ouro nos 400 metros e pula.

Angelica Barrera, impôs um novo recorde nos mil 500 metros com uma marca de 8 minutos, 15 segundos e 95 centésimos de segundo.

Francisa Rosario Pelayo, ganhou duas medalhas de ouro e uma de bronze.

Na natação, eles alcançaram o terceiro lugar, logo abaixo da Austrália e da Itália. Dunia Camacho ganhou cinco medalhas de ouro e quebrou três recordes mundiais nos 50, 100 e 1.500 estilos livres.

O time de futebol interno foi vice-campeão e eles ganharam a medalha de prata.

Guadalupe Rojas, treinadora de Femede, disse que para todos os atletas, não há impossibilidade.

“Eles ganharam porque mereceram, porque competiram com os melhores do mundo e há resultados”, afirmou.

O próximo desafio é em 2020 para os jogos paraolímpicos, e embora haja falta de apoio, eles continuarão a lutar.

“Agora eu ainda estou de pé porque os meninos exigem e eles merecem isso”, confessou Rojas.

“Odeio ser diabético, não posso comer quando quero (como não ter que comer à noite) porque não quero ganhar mais peso”, escreveu ele em 29 de maio.