América Latina primeiro para erradicar o sarampo




O sarampo é uma das doenças mais contagiosas que na década de 1970, causou mais de 100 mil mortes por ano na América Latina e 2 milhões em todo o mundo.

america-latina-primeiro-erradica-o-sarampo-2

Crianças são as que sofrem mais e podem ser infectadas por pequenas gotas que viajam no ar ou através de contato direto com secreções do nariz, boca e garganta de pessoas doentes.

Entre os principais sintomas estão:

  • Febre alta
  • Urgente generalizada em todo o corpo
  • Congestionamento nasal
  • Olhos vermelhos

Se não for tratado, pode causar cegueira, encefalite, diarréia grave, infecções de ouvido, pneumonias e, em alguns casos, morte.

Em 2002, deixou de transmitir na América Latina

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) informou que em 2002, o último caso de sarampo na região foi registrado.

No entanto, no mundo eles continuaram a ocorrer, razão pela qual alguns países latino-americanos importaram casos.

Diante disso, o Comitê Internacional de Peritos , uma organização independente da OPAS, foi designado para investigar a eliminação do sarampo na região.

Para fazer isso, eles analisaram as evidências apresentadas pelos países entre julho de 2015 e agosto de 2016, onde se constatou que os requisitos para estabelecer sua erradicação foram atendidos.

O sarampo é a quinta doença evitável pela vacinação que foi eliminada da região.

Como foi eliminado?

O Dr. Cuauhtemoc Ruiz-Matus, chefe da Unidade de Imunização da OPAS, explicou que, para erradicar o sarampo, foram implementadas diferentes estratégias, como as seguintes:

  • Campanhas nacionais de vacinação contra sarampo para crianças menores de 12 anos
  • Uma segunda rodada de vacinação para as crianças que não foram imunizadas
  • “Campanhas de captura” para aqueles que permaneceram não vacinados. Graças a isso, 140 milhões de crianças menores de 4 anos residentes na América Latina e no Caribe foram vacinadas
  • Vacinação para jovens de até 15 anos. No total, 240 milhões de pessoas se beneficiaram.
  • Vigilância epidemiológica muito forte para detectar qualquer caso em tempo hábil. Em caso de situação suspeita, os contatos que o paciente tinha, onde ele estava anteriormente e se ele foi vacinado, entre outros aspectos, foram certificados.
  • Apoio político, econômico e operacional ao programa. “Se os países não se comprometerem a sustentar a vacinação contra o sarampo, a erradicação não seria possível”, disse Ruiz-Matus.

“Um dia histórico para a região”, foi a expressão do diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Clarissa F. Etienne , dia em que a América Latina declarou a primeira região no mundo livre de sarampo.

Reforço de medidas

Ruiz-Matus indicou que para erradicar a doença em locais onde há dificuldades econômicas, a OPAS redobrou seus esforços.

Um exemplo é o que aconteceu no Haiti, onde várias campanhas de vacinação foram realizadas em 2012. Cerca de 95% das crianças entre 9 meses e 19 anos de idade foram vacinadas em todo o território.

“O que acontece nos países em que o programa de vacinação regular não é muito forte, deve recorrer a campanhas massivas, fortes e organizadas”, afirmou.

Ainda existem casos

O último surto de sarampo foi registrado na Venezuela em 2002, mas entre 2003 e 2014, foram notificados 5.077 casos, que foram importados.

O especialista esclarece que o vírus da América Latina não era o mesmo que existe na Ásia ou na Europa. Nos últimos casos, foram encontrados vírus de outros continentes.

“Eles são diferentes em sua composição genética, o que circula na América foi um vírus D8 de sarampo “, disse ele.

O mesmo aconteceu no Brasil em 2013, quando ocorreu um surto de sarampo não-nativo que durou mais de um ano, mas graças a ações concretas, o último caso foi apresentado em julho de 2015.

Diante disso, o especialista recomenda que as pessoas tomem medidas cautelares quando viajam para outros países.

“Quando as pessoas viajam para a América devem vir imunizadas perfeitamente com o sarampo, mas não porque conseguem, mas porque podem trazer a doença. Este é o momento em que temos que manter a cobertura de vacinação alta para reduzir o risco da doença. reintrodução do vírus até alcançar a eliminação global do sarampo “, conclui.