Ser transgênero não é transtorno mental




Durante anos, considerou-se que ser transgênero é um transtorno mental, como aparece na Classificação Internacional de Doenças (ICD) da Organização Mundial da Saúde (OMS) ; No entanto, os pesquisadores pediram para eliminar o termo, uma vez que não é uma doença.

transgender-nao-transtorno-mental-2

De acordo com um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Psiquiatria Ramón de la Fuente Muñiz , há evidências científicas concretas de que ser transgênero é uma condição e não uma doença mental, por isso é necessário parar de classificá-la como tal.

Os pesquisadores argumentaram que as pessoas transgênero sofrem de rejeição social, depressão e ansiedade, e a principal razão para isso é que eles acham que estão doentes.

María Elena Medina Mora , diretora geral do Instituto Nacional de Psiquiatria (INP), disse que certamente o estresse e deficiência funcional (duas condições que determinam se uma pessoa possui uma desordem) são comuns na população, mas não são universais e que nem todos sofrem.

“(A condição) ocorre desde a infância e não tem nada a ver com a identidade, não cura, é algo que nasce”, diz ele.

Ele indicou que, quando alguém sofre de transtorno mental , surge por causa do meio ambiente, principalmente por discriminação, assédio e estigmatização social.

“Eles são provocados por uma doença mental por intolerância e rejeição, eles não nasceram com ele”, ressalta.

Como o estudo foi feito?

Os pesquisadores entrevistaram 250 pessoas transgêneros entre 18 e 65 anos, que indicaram que descobriram sua identidade de gênero entre dois e sete anos.

A especialista Ana Fresan , do instituto, explicou que a parte central da investigação foi analisar os dois principais fatores que determinam um transtorno mental.

Como resultado, descobriu-se que 83% dos participantes sofreram algum distúrbio, especialmente depressão na adolescência.

100% apresentaram um problema de intensidade moderada em várias áreas de sua vida; 60% sofreram no ambiente familiar, escolar e social, enquanto os três quartos o fizeram em algum momento da adolescência.

Enquanto isso, 63% eram vítimas de violência física e psicologia; na metade dos casos, os atacantes eram membros da família

Os especialistas concordam que, se o termo for eliminado das doenças mentais, o primeiro passo será levado a mudar preconceitos, estereótipos e estigmas sofridos por esse setor da população.

O estudo já está sendo reproduzido no Brasil, no Líbano, na África do Sul e na França.

VitaminaSeAlimentoS.com
Ser transgênero não é transtorno mental
Abóbora moranga refogada com sal tem 30 calorias (100g)