Vacinar ou não vacinar? O controverso documentário




O documentário “Vaxxed: From Disguise to Catastrophe”, que associa o autismo à vacina MMR (sarampo, rubéola e caxumba), foi banido do festival de cinema em Tribeca, Nova York , pelo ator Robert De Niro porque oferece teorias falsas que foram desqualificadas pelos cientistas.

vacinar-ou-nao-vacinar-o-controverso-documentario-2

O co-fundador do festival e pai de uma criança com autismo, explicou através de um comunicado de imprensa, que a decisão foi tomada depois de receber críticas por oferecer espaços para expor informações falsas e, embora inicialmente defendesse a idéia de emitindo, agora não considera que contribui ou aumenta o debate que eu esperava.

“Nos 15 anos desde que o Tribeca Film Festival foi fundado, nunca pedi um filme para ser mostrado ou envolvido na programação, mas isso é muito pessoal para mim e minha família , e eu quero que haja um debate “, disse ele em um comunicado.

Quando a decisão final do festival foi anunciada, os produtores do documentário declararam que o ato é um exemplo do “poder dos interesses corporativos que censuram a liberdade de expressão, arte e verdade”.

Diante disso, o ator e os outros organizadores, indicaram que a medida não é para evitar controvérsias, mas que foi feito porque existem algumas coisas preocupantes sobre a fita que eles não pensam que devem ser apresentadas.

A controvérsia do assunto surgiu em 1998 após a publicação de um estudo realizado pelo ex-médico Andrew Wakefield, um controverso ativista britânico do movimento anti- vacinas que ligou ao autismo colocou a vacina MMR e, embora tenha sido demonstrado que tudo era uma fraude, a crença de que a as vacinas são prejudiciais estavam presentes na comunidade.

Para este artigo que foi publicado e posteriormente retirado da revista The Lancet, Wakefield foi acusado de realizar más práticas, falta de ética e conflitos de interesse, para os quais sua licença médica foi retirada.

Como resultado da publicação, surgiram inúmeras investigações que negaram a relação entre vacinas e autismo, como a que foi realizada em 2014, com um milhão de crianças que não apresentaram risco após serem vacinadas.