Por que o coração cresce e causa a ampliação do coração




@

porque-crece-el-corazon

porque-crece-el-corazon_820

O que é a miocardiopatia hipertrófica?

Nesse sentido, ocorre por uma mutação nos genes da proteína sarcomer cardíaca (unidade funcional que permite a contração e relaxamento do músculo cardíaco durante a sístole / diástole).

Isso significa que a cardiomiopatia hipertrófica é uma doença genética que pode ser herdada de maneira autossômica dominante, compartilhando variável penetrância e expressividade. Devido à sua apresentação variável, a incidência de morte súbita é bastante alta.

De fato, a cardiomiopatia hipertrófica é a principal causa de morte cardíaca súbita em crianças pré-adolescentes e adolescentes, tornando-se uma doença complexa cujas conseqüências são potencialmente devastadoras para os pacientes e suas famílias.

Existem dois tipos de aumento cardíaco: hipertrofia e dilatação (uma condição que geralmente ocorre separadamente, mas também pode coexistir). A hipertrofia é um fenômeno que envolve um aumento da espessura do miocárdio, que afeta uma das câmaras do coração, enquanto a dilatação se refere a um aumento em algumas ou todas as câmaras do coração da cavidade interna.

@

Quais são as causas da hipertrofia miocárdica?

porque-crece-el-corazon_823

A resposta a esta hipertrofia pode ser desencadeada por sobrecarga hemodinâmica, como vemos durante o crescimento, gravidez e atividade física intensa. Mesmo a hipertrofia miocárdica pode aparecer em resposta a sobrecargas hemodinâmicas patológicas relacionadas à pressão e ao volume sanguíneo, como a hipertensão arterial, estenose valvar ou insuficiência, infarto agudo do miocárdio e cardiomiopatia primária.

Esses pacientes têm cinética anormal de cálcio circulante no nível do miocárdio, o que provoca um aumento no número de canais de cálcio, o que resulta em um aumento nos níveis de cálcio intracelular, que por sua vez conduzem a hipertrofia cardíaca e a distúrbio no nível celular.

A ampliação do coração está associada ao aumento do estresse e suas capacidades. Isso geralmente afeta as câmaras inferiores do coração (ventrículos direito ou esquerdo).

De acordo com a sua função, o ventrículo direito ajuda a bombear sangue cheio de oxigênio para os pulmões, enquanto o ventrículo esquerdo bombeia sangue rico em oxigênio que será usado por todos os órgãos e tecidos do corpo.

Em condições de sobrecarga, o coração deve fazer um esforço extra para bombear sangue, enquanto manipula pressões elevadas. Este trabalho de bombeamento forçado faz com que o ventrículo se aumente e gere insuficiência cardíaca.

A etiologia da hipertrofia miocárdica é explicada pela influência de vários fatores:

Fatores genéticos

Desde 1989, é conhecida como doença hereditária autossômica dominante em 50% dos casos. Pelo menos seis genes diferentes, em quatro cromossomos, estão associados à doença e em eles ocorrem mais de 50 mutações diferentes.

@

  • Estimulação simpatica anormal, capaz de gerar uma resposta excessiva do coração à circulação de catecolaminas.
  • Aterosclerose coronária, que quando dilatada conduz à isquemia miocárdica (redução do fluxo sanguíneo em qualquer dos vasos que fornecem o coração).
  • Anormalidades estruturais no nível do miocárdio, seja na configuração do septo interventricular, músculos papilares ou válvulas.
  • Entre as causas da hipertrofia ventricular direita estão as doenças respiratórias, como enfisema e fibrose cística. Essas doenças causam a destruição dos vasos sanguíneos que alimentam os pulmões, causando aumento de pressão no resto dos vasos.
  • Distúrbios que diminuem os níveis de oxigênio no sangue, como bronquite crônica e apneia obstrutiva do sono, também são conhecidos por levar à hipertrofia ventricular direita.
  • A principal causa da hipertrofia do ventrículo esquerdo é a sobrecarga de pressões sofridas pelo ventrículo esquerdo secundário à hipertensão arterial, estenose aórtica e coarcação aórtica. Outras causas são obesidade e insuficiência valvar (mitral ou aórtica).
  • A dilatação do miocárdio ocorre devido a distúrbios que danificam diretamente o músculo cardíaco, onde o coração fica magro e produz um estiramento de suas fibras musculares. Esses distúrbios incluem infarto do miocárdio, abuso de álcool, miocardite (inflamação do coração).
  • A dilatação do miocárdio também está associada à doença da tireóide e à doença valvular, conhecida como regurgitação valvular, onde ocorre um retorno do sangue com cada batida, levando a uma dilatação significativa à medida que progride.
  • Hemocromatose (excesso de ferro no sangue).
  • Uso de drogas, medicamentos anti-retrovirais e quimioterapia.
  • Exposição a metais como cobalto, chumbo e mercúrio.

Quais são os sintomas da miocardiopatia hipertrófica?

porque-crece-el-corazon_825

  • Dispnéia (falta de ar): este é o sintoma mais comum e ocorre em 90% dos pacientes sintomáticos.
  • Síncope: isso resulta de insuficiência cardíaca insuficiente ou durante uma arritmia. É muito comum em crianças e adultos jovens, e pode ser causada por alguns tipos de arritmias, como taquicardia ou bradicardia.
  • Angina (dor torácica): é um sintoma típico em pacientes com hipertrofia miocárdica e pode até ocorrer na ausência de aterosclerose coronariana.
  • Palpitações: são comuns e ocorrem como resultado de arritmias, como batimentos auriculares ou ventriculares prematuros, fibrilação atrial, flutter atrial, taquicardias ventriculares ou supraventriculares.
  • Tonturas: são pioradas pelo esforço exercido pelo coração, e é exacerbada por hipovolemia, atividade física extenuante, manobras de valsalva, uso de diuréticos, nitroglicerina ou vasodilatadores diretos.
  • Morte cardíaca súbita: é a manifestação mais grave, que ocorre mais freqüentemente em crianças mais velhas e jovens adolescentes. Em 80% dos casos, ele é derivado de uma arritmia cardíaca, sendo a fibrilação ventricular mais freqüente. Outras causas resultam da taquicardia ventricular e do colapso hemodinâmico de baixo custo.

Quais são as complicações da miocardiopatia hipertrófica?

  • Insuficiência cardíaca.
  • Doença cardíaca isquémica.
  • Arritmias cardíacas (a mais comum é a fibrilação atrial).
  • Angina.
  • Doença cerebrovascular.
  • Ataque do coração.
  • Morte cardíaca súbita.

Como é diagnosticada a hipertrofia miocárdica?

porque-crece-el-corazon_825

Triglicerídeos altos – Como baixar os triglicerídeos

  • Realizar uma história médica rigorosa ajuda a estudar a história familiar.
  • São procurados sinais de doença cardíaca crônica, como pressão arterial elevada, sopro carotídeo, palpitações, edema em membros inferiores e som anormal para auscultação pulmonar.
  • Realizar uma radiografia de tórax pode apresentar sinais de crescimento cardíaco ou revelar a presença de líquido nos pulmões.
  • Um eletrocardiograma é muitas vezes ordenado para avaliar as possíveis causas de hipertrofia e a presença de arritmias.
  • Estudos de laboratório, como exames de sangue, não são específicos desse diagnóstico.
  • A melhor maneira de avaliar e diagnosticar a cardiomiopatia hipertrófica é realizar um ecocardiograma, onde as características do coração (tamanho e espessura do músculo cardíaco em cada câmara) são avaliadas por ultra-som. Os achados ecocardiográficos incluem:
  • Hipertrofia do ventrículo esquerdo.
  • Maior átrio esquerdo.
  • A parede do ventrículo diminuiu de tamanho.
  • Hipertrofia do septo.
  • Prolapso da valva mitral.
  • Regurgitação mitral.
  • Recursos relacionados a “Problemas cardíacos”

    Colesterol não-HDL: o que é, por que isso importa?

    9 maneiras de aumentar o colesterol HDL

    11 alimentos para baixar o colesterol

    Qual é o tratamento da miocardiopatia hipertrófica?

    • Qualquer forma de hipertrofia miocárdica resulta em um risco aumentado de morte súbita e diminuição da qualidade de vida.
    • O tratamento é o modo de reverter ou melhorar os sintomas. No entanto, quando se trata de dilatação miocárdica, o dano geralmente é irreversível. Nestes casos, o tratamento visa melhorar a função do coração.
    • O tratamento para insuficiência cardíaca baseia-se no uso de drogas anti-hipertensivas, como betabloqueadores (que relaxam o coração) e bloqueadores dos canais de cálcio (como verapamil ou diltiazem). O uso de diuréticos pode aliviar os sintomas respiratórios e ajudar a diminuir o edema pulmonar e o nível dos membros inferiores.
    • Em caso de ritmos cardíacos irregulares ou arritmias, são utilizados antiarrítmicos e, em casos graves, as arritmias são desfibriladas ou desfibriladas. Em casos de bradiarritmias, o uso de pacemakers pode ser necessário.
    • Devido ao risco de coágulos sanguíneos, recomenda-se o uso de anticoagulantes, como a varfarina (em caso de insuficiência cardíaca e episódios anteriores de trombose). Nestes pacientes é recomendado evitar a atividade física intensa.
    • A substituição valvular ou a reparação valvar podem ser uma opção em pacientes com prolapso valvular ou regurgitação mitral.
    • O gerenciamento cirúrgico é baseado em procedimentos como a miomectomia septal (cirurgia de coração aberto), ablação septal (procedimento não-invasivo). E, como último recurso, transplante cardíaco em pacientes com cardiomiopatia severa e mau prognóstico.

    Evite alimentos irritantes como: álcool, compostos que atuam como alimentos picantes, tabaco, consumo excessivo de café.