Não há relação entre vacinas e autismo




Foi recentemente anunciado que o ator Robert De Niro, vetou do festival de cinema de Tribeca um documentário que expôs como as vacinas estão causando autismo , porque apresentou falsas teorias que foram desqualificadas pelos cientistas.

ou-mais-nega-relacao-entre-vacinas-e-autismo-2

Este mito tem circulado nos últimos anos e levou os grupos a encorajar a não vacinar os menores, porque também garantem, não erradiquem doenças.

Diante dessa crença cada vez mais comum, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu uma declaração afirmando que eles são falsos .

A organização negou 10 mitos sobre vacinas que variam de causar doenças, que não são necessárias, que têm efeitos colaterais ou que causam autismo.

Sobre o mito As melhores condições de higiene e saneamento farão com que as doenças desapareçam, não são necessárias vacinas”, a OMS aponta que muitas doenças que foram erradicadas com vacinas, apareceriam novamente se o sistema de vacinação fosse interrompido, além de que várias infecções podem surgir mesmo com as melhores condições sanitárias e de higiene.

Outro mito que nega são os efeitos nocivos causados ​​pelas vacinas, o que responde que, embora a febre ou a dor possam ocorrer, são temporários.

No caso de vacinas e autismo, ele esclareceu que essa crença começou em 1998, quando um estudo foi publicado sobre uma possível ligação entre a vacina viral tripla (sarampo, caxumba e rubéola) com a doença.

Eles detalhavam que a investigação continha muitas irregularidades para o que foi considerado uma fraude e, embora tenha sido retirada, causou muitos medos e circulação da crença.

Até agora, não há estudos subsequentes para apoiar esta teoria, mas pelo contrário, eles negam, porque milhares de crianças que foram vacinadas foram analisadas, com o resultado de que nenhuma delas sofre de desordem.