Café com cafe de biodiesel?




Quando pensamos que existem milhares de bactérias ao nosso redor, a primeira coisa que pensamos é lavar as mãos imediatamente e depois passar um antibacteriano apenas no caso. Mas não é tão simples como isso.

cafe-biodecaffeinado-com-bacterias-2

Resista a diferentes ambientes

Existem bactérias que se alimentam de rochas, que vivem no ar, que se instalam nas hastes de urânio de usinas nucleares, aquelas que se sentem confortáveis ​​em água fervente, em poços abismais oceânicos ou nas camadas mais altas da atmosfera, até mesmo alguns resistem no vácuo espacial.

Para Carles Pedrós-Alió, pesquisadora do Centro Nacional de Biotecnologia, “o fato de não vê-los faz com que tenhamos um conceito totalmente distorcido do mundo que nos rodeia”, diz ele a Sinc.

Quando pensamos no termo biodiversidade, os documentários dos animais vêm à mente, mas dos três grandes ramos que compõem a árvore da vida, bactérias, arqueias e eucariotas, os dois primeiros são exclusivamente microbianos “, e o terceiro também é invisível para o olho humano em sua maioria, expõe o microbiologista.

Enquanto animais e plantas apareceram há cerca de 500 milhões de anos, as bactérias levaram pelo menos 3,5 bilhões e tiveram muito tempo para se multiplicar e diversificar. São tantas e tão diversas que, ao longo da história, moldaram a geologia do planeta.

Onde podemos encontrar bactérias?

Mas você não precisa ir longe para encontrar ambientes extremos para a vida. Assim como o filtro de uma máquina de lavar louça, um painel solar, uma sauna e até mesmo uma máquina de café. Em todos eles, Manuel Porcar mostrou que existem muitas e muito diversas bactérias.

“Esse tipo de microorganismos resiste a condições de temperatura, pH e salinidade tão extremas quanto as encontradas na indústria, de modo que são muito interessantes”, diz o cientista.

“Uma máquina de café é um habitat muito particular com dois fatores de seleção, temperatura e cafeína, explica Porcar. Esta temperatura varia dependendo se o café está em casa e é usado um ou três vezes por dia ou se você estiver em um escritório com uma média de mais de uma dúzia de café diário.

A própria cafeína é um fator constante. “As bactérias que encontramos são muito bem adaptadas para viver com essa substância para que possam ser úteis para aplicações como a produção de café biodecaffeinado”, diz ele.

O ambiente de uma máquina de café é considerado semi-extremo, mais suave que o de um painel solar que é muito mais hostil à vida. Colocado em pleno sol e em um ângulo que maximiza a radiação, sua capacidade de retenção de água é mínima. “É um inferno para viver”, diz o cientista. Além disso, eles encontraram vida, comunidades bacterianas semelhantes às de desertos quentes como o Sahara ou sorvetes como a Antártica.

Eles também podem ser resistentes à radiação ultravioleta

A sua aplicação potencial deriva da sua resistência à radiação ultravioleta. “Em vez de usar um creme de fator 50, nós nos protegem sintetizando carotenóides , e estes podem ser usados ​​como um suplemento nutricional”, diz Porcar, que também pertence à empresa Darwin Bioprospecting, cujo objetivo é descobrir e desenvolver novos microorganismos.

As bactérias não geram devoção entre o público em geral. “É verdade que, em geral, estão associados a infecções, mas, mesmo nesses, eles têm um duplo papel: por um lado, são os maus do filme, mas também nos fornecem balas mágicas, antibióticos, para matar seus companheiros “, explica o microbiologista Manuel Porcar.