Por que é necessário o aleitamento materno?




A amamentação tem sido feita por milhões de anos em todo o mundo, é a maneira mais eficaz para o bebê ser saudável e ter um bom crescimento, por quê?

amamentacao-necessaria-2

A resposta é o Dr. Gilda Stanco, pediatra da Universidade Central da Venezuela, que explica que os componentes do leite materno são o que ajuda o bebê a ter boa saúde e outros benefícios.

“Nos primeiros dias de lactação, o que é conhecido como colostro (precursor líquido amarelado do leite materno que ocorre dias após o parto) que reforça as defesas do bebê e fornece substâncias que facilitam a digestão. produz leite, o bebê terá um crescimento correto e melhor desenvolvimento cognitivo e imune “, diz ele.

Mas, além desses benefícios, ele acrescenta, a amamentação ajuda a criar um vínculo entre filho e mãe, e isso os faz sentir bem.

“Mamãe também ajuda porque amamentar lança substâncias que causam prazer e relaxamento”, diz ela.

Componente MFGM

O especialista aponta que o motivo dos benefícios do leite materno está em seus componentes, em particular o MFGM (membrana que cobre a queda da gordura do leite).

“A gordura é obtida através de alimentos e essa gordura passa para o leite materno, para ser solúvel, a gordura é coberta por uma camada tripla desta membrana, que mistura bem o leite”, diz ele.

Este componente é encontrado exclusivamente no leite materno e leite de vaca, e é composto de gorduras e proteínas que são essenciais para o sistema nervoso e o sistema imunológico.

“As proteínas que contribui ajudam a fortalecer o sistema imunológico, que previne infecções e vírus”, diz ele.

Ele acrescenta que, devido aos benefícios que foram vistos neste componente, os cientistas isolaram o MFGM do leite das vacas e adicionaram-no às fórmulas lactantes, tendo resultados muito bons.

“Estudos dizem que o MFGM que é adicionado às fórmulas tem efeitos semelhantes aos do leite materno, não são os mesmos, mas são muito bons”, diz ele.

Fórmulas lácteas, sim ou não?

A amamentação é a recomendação número um para a alimentação dos recém-nascidos, mas, se não for possível, as fórmulas do leite são uma boa opção.

“Muitas mulheres por falta de tempo, doença, medicação, estresse ou porque não querem isso, não amam seus bebês e isso não é ruim, para eles, as fórmulas são um grande apoio”, diz ela.

Em relação ao mito sobre a nocividade das fórmulas, o médico aclara que eles não causam nenhum efeito colateral, embora dar uma exige a recomendação do médico.

O que é prejudicial e nada deve ser dado aos bebês, é o leite inteiro e condensado.

“Eles podem causar alergias, anemia ou constipação porque eles não contêm vitaminas e minerais no leite materno, como DHA e probióticos”, enfatiza.

As três chaves para uma amamentação bem sucedida

O Dr. Stanco detalha que para ter uma boa amamentação, três aspectos devem ser levados em consideração:

  • Informe: a mãe deve receber informações sobre os benefícios de dar leite materno, as posturas mais recomendadas sobre como o bebê deve ser acomodado para atender corretamente, etc. Uma sucção correta é para o bebê pegar todo o mamilo com o halo ou de outra forma, existe o risco de rasgar o mamilo.
  • Sugerir : você precisa modificar posturas para ter um bom anexo do bebê com o peito. Deitar na cama é uma boa opção para não se cansar muito. Você deve entender que todas as duas ou três horas, o bebê será alimentado, por isso pode ser cansativo.
  • Louvor: devemos reconhecer o trabalho das mães e respeitar suas decisões. “Muitas vezes os médicos estão dedicados a dar ordens, quando as mulheres realmente precisam de apoio”, diz ele.
  • Desde que o bebê nasce até seis meses, você só deve tomar leite materno. Mais tarde, eles devem combinar alimentos com leite e dar a dois anos.

    “O mais importante é que você não precisa se sentir culpado se você não amamentar, amamentar é uma maneira de criar um vínculo e amor, mas não o único”. O carinho pode ser mostrado com carícias, pampers, proteção, jogos, etc. Se você não amamentar , devemos respeitar e procurar alternativas de nutrição “, conclui.