Adolescentes mais vulneráveis ​​à depressão




Os fatores que influenciam

“Há mudanças no desenvolvimento do pensamento, o corpo e as formas de se relacionar com outros são modificados, além disso, o baixo nível de educação, o desemprego da família, a confusão de identidade, a busca de algo próprio e ultimamente, insegurança “.

adolescentes-mais-vulneraveis-​​a-depressao-2

“Também estão envolvidas perdas que anteriormente não ocorreram tanto quanto a morte de pais devido a violência ou doença, além de alterações hormonais e neurotransmissores baixos, como serotonina e dopamina, relacionados à depressão”, explicou.

A desesperança é outro fator, uma vez que o adolescente se sente desesperado, fica preocupado com o futuro e menos protegido. Tudo o que precede, ele observou, contribui para ter comportamentos suicidas e atacar-se.

A falta de pertença

Por outro lado, em seu ensaio El Suicidio, Emile Durkheim deixa claro que as condições sociais têm uma influência significativa na sua incidência. A falta de oportunidades, violência, desigualdade e as poucas possibilidades que o adolescente atual vislumbrou o tornaram mais vulnerável e inseguro, advertiu Ricardo Trujillo Correa, também do FP.

Se você não se sente pertencente e nada significa um grupo social, um discurso ou uma meta-narrativa, você perderá o solo que lhe dará identidade. Para o pesquisador, a questão social no suicídio é mais importante do que o núcleo familiar ou um desequilíbrio bioquímico.

O especialista também considera que a mídia, outro fenômeno social, oferece aos jovens um mundo irreal e inacessível, no qual o único importante é aproveitar o momento.

No entanto, uma vez que no mundo real eles não são fisicamente perfeitos, a violência, a insegurança e o desânimo prevalecem, e eles não podem gastar suas vidas em atividades recreativas, então experimentam sentimentos constantes de frustração e ansiedade que os levam ao consumo de substâncias adictivas, para depressão e pensamentos suicidas , disse Trujillo.

Raio X da depressão

A Organização Mundial da Saúde afirma que a depressão é uma desordem que afeta 350 milhões de pessoas no mundo e é a principal causa da deficiência. Os números revelam que, em geral, afeta mais as mulheres do que os homens.

No México, a depressão é um grave problema de saúde pública que atualmente prejudica entre 12 e 20 por cento das pessoas entre 18 e 65 anos, segundo dados do Ministério da Saúde.

De acordo com o Instituto Nacional de Psiquiatria “Ramón de la Fuente” , no país, menos de 20% dos adolescentes e jovens que apresentam uma afecção afetiva, como a depressão, procuram algum tipo de ajuda. Estima-se que aqueles que o fazem demorem até 14 anos a atingir tratamento especializado.

Estudos realizados pelo National Survey of Psychiatric Epidemiology mostraram que o aparecimento de distúrbios psiquiátricos ocorre nas idades iniciais, durante as primeiras décadas de vida, e que dois por cento da população mexicana sofreu um episódio de depressão maior antes de 18 anos de idade.

Cerca de 95 por cento dos casos de depressão se originam na infância; nessa fase gesta e desenvolve fatores que reverberam na adolescência ou adultez, de acordo com dados da Faculdade de Psicologia.

Se você precisar, peça ajuda

Atualmente, entre os jovens, as mulheres tentam o suicídio mais, mas os homens fazem mais, porque usam métodos letais, como o acesso a armas de fogo, facas e suspensão, enquanto usam métodos como tomar pílulas.

Figuras históricas do Instituto Nacional de Psiquiatria “Ramón de la Fuente” relatam que no México de 1970 a 2007, o suicídio em geral cresceu 275 por cento. Desde 1970, o fenômeno no grupo populacional de 15 a 29 anos apresentou crescimento sustentado.

Continuando com os dados, oito dos 10 suicídios, 80,2 por cento, foram consumados pelos homens e 19,8 por cento das mulheres. O estado de Campeche, com 10,2 por cento do total, é a entidade com maior taxa por 100 mil habitantes; em contraste, as taxas mais baixas são de Oaxaca, com 3,4 por cento; Morelos, com 2,8%; e Guerrero, com 2,1 por cento.

A UNAM presta cuidados e apoio através do Programa de Atenção Psicológica à Distância, na página:

http://www.psicologia.unam.mx/centros-de-formacion/ , ou telefone 56222288, com um horário de segunda a sexta-feira das 8:00 da manhã às 6:00 p.m.

Também no Centro de Serviços Psicológicos “Dr. Guillermo Dávila”, localizado no porão do Edifício “D” da Faculdade de Psicologia, com horas de serviço de segunda a sexta-feira das 8:30 da manhã às 7:00 da.m.