25% das mulheres grávidas sofrem violência obstétrica




Angélica Ramírez Elías e Leticia Hernández Rodríguez , acadêmicas da Escola Nacional de Enfermagem e Obstetrícia (ENEO) da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), alertaram que 25% das mulheres grávidas no país sofrem algum tipo de violência obstétrica , embora os números possam ser mais elevados, uma vez que não há registro oficial ou muitas vezes os comportamentos não são vistos como uma afectação aos seus direitos.

25-mulheres-gravidas-sofrem-violencia-obstetrica-2

“Eles são submetidos a muitas situações negativas, depreciando seus sentimentos ou privando-os de elementos significativos no trabalho, como pulseiras ou arcos vermelhos, o que lhes dá segurança”. Os profissionais vêem-nos como algo que poderia dificultar o procedimento ou colocá-lo em prática. risco “, explicou Hernández Rodríguez através de um comunicado de imprensa.

Não permitindo que eles caminhem, não tenham companhia, apliquem tratamentos desnecessários ou esterilizem sem o seu consentimento, são algumas das atitudes mais comuns de violência, mas muitas mulheres não consideram como tal.

Ramírez Elías ressalta que essas situações podem ser sofridas por qualquer mulher, mas que são mais comuns naqueles que não tiveram controle pré-natal e que chegam ao parto sem informações suficientes para que médicos, enfermeiros e enfermeiros possam responsabilizá-los por eventuais complicações. .

“É um ataque aos seus direitos humanos e as más práticas podem fazer com que elas dêem nascer no táxi ou fora das instalações”, diz ele.

Leticia Hernández menciona que o principal problema que não aborda este tipo de violações dos direitos humanos é que eles não sabem onde reportar ou temem fazê-lo porque acreditam que lhes será negado atendimento médico.

Ele acrescentou que apenas 17 entidades do país possuem um regulamento específico sobre a violência obstétrica.

Portanto, Angélica Ramírez enfatiza que é essencial que as escolas de medicina e enfermagem ensine os alunos a agir com ética e a não ver pacientes como “meios didáticos” para “tocar e aprender”.